terça-feira, 19 de setembro de 2017




Letras Finais

Cinco consoantes no alfabeto hebraico possuem grafia diferenciada quando aparecem no final da palavra. Qual seria o motivo ?

As letras são:

Mem, inicial de Maamar que significa Mensagem, no sentido de que a Torá foi transmitida por mensagem

Nun, inicial de Neeman que significa fiel, a Torá foi transmitida de fiel a fiel

Tzadi, inicial de Tzadik que significa justo, transmitida de justo a justo

Pe, inicial de Pé que significa boca, transmitida boca a boca

Kaf, inicial de Kaf que significa palma da mão, transmitida de mão em mão 

Registrando aqui para não perder.



Terapia de Regressão 


Como é possível explicar o alcance curativo da terapia de regressão?


Sintomas que não têm uma etiologia em causas orgânicas tendem a apresentar melhora significativa e até mesmo a cura por meio do resgaste de lembranças que podem ter provocado a formação do transtorno. As lembranças na gênese do problema podem se apresentar de dois tipos: as provenientes da memória armazenada e acessível à instância consciente; e as lembranças indisponíveis e profundamente armazenadas, que poderão ser acessadas somente por inferência, metáforas, símbolos ou em estados de consciência como sono, semivigília e relaxamento. O método da terapia de regressão é evocar as lembranças na origem do sintoma, e ressignificá-las no tempo em que ocorreram, antes da instalação do transtorno. Outra característica da terapia de regressão é que esse tratamento não se estende por muito tempo, podendo ter efeito satisfatório em poucas sessões.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Currículo parcial de Encontros com a Cabala - em construção


Vinte e cinco anos após o lançamento do meu livro Iniciação à Cabala, inicio uma proposta de encontros para divulgar e debater conteúdos da Cabala teórica. O projeto teve início em 14 de dezembro de 2016 e já está entrando no terceiro módulo. Outros encontros estão sendo preparados e em breve serão divulgados.

A ideia é promover encontros que abordam a Cabala teórica com seus pensadores e vertentes. Os encontros contêm temáticas independentes entre si, de forma que o participante possa comparecer eventualmente, de acordo com seu interesse por um ou outro assunto. O primeiro encontro do projeto ocorreu no dia 14 de dezembro passado, seguido de outro no dia 11 de janeiro. Os próximos estão agendados para 25 de janeiro, 8 e 15 de fevereiro, e 8 de março. O número máximo de participantes é de sete pessoas.

Histórico:

14/12 - módulo 1

8/1 - módulo 1

25/1 - módulo 2 (grupo completo)

8/2 - módulo 2 (grupo completo)

15/2 - módulo 1 (inscrições abertas)

8/3 - módulo 3 (inscrições abertas)

Conteúdos dos módulos indicados nas figuras.

Inscrições tovasender@gmail.com

Tova Sender FB inbox






sábado, 23 de julho de 2016

Presentes de aniversário...


Oi, pai:

Hoje é seu aniversário 9.6
Hoje não vou falar de como você foi o solteiro mais cobiçado dos anos 40, nem vou contar que você dançava tango valsa bolero paso-doble jazz puladinho samba polca e outros gêneros de dança de salão, nem comentar que você jogava biriba buraco tranca roleta canastra poker e outros jogos de cartas.
Hoje vou falar das coisas que você gostava, e são exatamente essas coisas que eu quero lhe oferecer neste aniversário.

A rádio-vitrola Telefunken que tocava discos grossos de vinil de 78 rotações; cada disco tinha dois lados, lado A e lado B, e cada lado tocava uma só música.

A televisão Mullard de válvula, que tinha que ser ligada meia hora antes do Reporter Esso porque precisava  esperar “esquentar” para aparecer a imagem.

A Companhia Telefônica de Friburgo para onde íamos a família inteira para ligar para o Rio, e onde ficávamos algumas horas esperando a telefonista fazer a chamada.

O trem maria-fumaça que quando fazia a curva na serra depois de Cachoeiras de Macacu provocava uma chuva de fuligem que entrava pelas janelas dos vagões atrás, sujando toda a nossa roupa.

A brilhantina que deixava o seu cabelo brilhoso e irretocável.

Tshubtshik – Klezmer russo. https://www.youtube.com/watch?v=DWWEMvHBin8

A sua cidade materna, Ostrowiec, de onde você teve que fugir aos 18 anos, deixando tudo para trás, a casa, a marcenaria que fornecia móveis para Varsóvia, a infância perdida, a carreira mal começada e inconclusa.

Tudo isso eu lhe ofereço hoje como presente pelo seu aniversário.

Com carinho,

Sua filha.






sábado, 28 de maio de 2016

Economia segundo Moshe Pitchon



O filósofo Maimônides afirma que a verdadeira caridade é aquela que não se divulga. No entanto, hoje recebi um texto do pensador do judaísmo humanista Moshe Pitchon a respeito de renda, recursos e distribuição. Ele afirma que todos os bens que existem ao dispor dos homens, na verdade, não lhes pertencem: "Na teoria econômica judaica, os seres humanos são apenas mordomos ou depositários dos bens de Deus. A responsabilidade humana é a de gerir adequadamente a riqueza que Deus confiou aos seus cuidados. No judaísmo, considerações de caridade, moralidade e bondade são parte da estrutura do mercado." Achei significativo receber o texto em que Pitchon desenvolve o parágrafo que transcrevi acima, bem no dia em que faço meu trabalho social e voluntário. Isso, de certa forma, me autoriza a compartilhar o sentimento que tive durante um dia em que só fiz doação: pouco consumo e muita doação. Agora, ao final do dia, sinto alegria por ter dedicado meu tempo de sábado aos outros, enquanto eu mesma também me sinto gratificada. Alegria por ter administrado bens e conhecimentos numa distribuição que faz o mercado mais justo e menos ambicioso. E fico pensando em outros dias como este, de pouco consumo e muita doação.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Cenas do cotidiano...



Coisas que só têm valor muitos anos depois. Como não perceber em tempo real a riqueza desta imagem? Um segundo de tempo capturado por alguém, provavelmente pela neta, minha filha, que fez o comentário no verso ao achar a foto entre os seus guardados numa visita ao seu quarto de solteira na minha casa...

A estante com as fotos dos filhos e netos, a planta vistosa, cuidadosamente tratada pela matriarca que tinha mãos férteis, o patriarca examinando documentos, talvez faturas, e a filha providenciando ao telefone, ainda de disco, algum exame, alguma visita técnica, mas eu daria tudo para me lembrar da finalidade do telefonema sob o olhar de aprovação da minha mãe e o sorriso de sossego do meu pai !

E no alto, à esquerda da foto, a Mezuzá, o símbolo da espiritualidade, esta que nunca nos abandonou e jamais nos abandonará, assim como nós também não a abandonaremos.

Se eu soubesse que cada segundo de tempo tem tanto valor, eu teria feito alguma coisa diferente...

É como ver o sagrado nas cenas do cotidiano que não voltam mais.





sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Soneto e marina



O soneto foi escrito em 2003, 2004, por aí. A marina foi pintada na semana passada, no dia 15 de dezembro (eu me enganei com a data na hora de assinar...) Hoje, pensando nas duas produções, ocorreu-me que se complementavam. Decidi postar aqui para registrar o encontro das duas, com um intervalo de 12 anos entre uma e outra.

O soneto faz parte de uma trilogia que compus no mesmo dia. Certa manhã, em 2003 ou 2004, não sei precisar quando, acordei com o pensamento ritmado. tá tá, tá tá tá, tá tá tá, tá tá tá... Era só colocar as palavras. E assim, foram compostos três sonetos no mesmo dia.

A marina foi pintada no curso de desenho. Minha primeira marina.

E eis que percebo a temática recorrente nas duas criações: o voo, a liberdade, a percepção da nossa própria pequenez. Segue o soneto:


Alma desejante

Voando sem corpo, só a alma latente,
por entre as migalhas, resíduos humanos,
vi aves, vi asas, vi anjos à frente,
só atos não vi, fontes dos meus enganos.

Inseto rasteiro pensando ser gente
ou réptil sem pernas, à terra, tão rente!
Estive, algum dia, vivendo entre insanos,
forjando demônios em gestos levianos?

Agora, sem vida, reconheço os danos
vis de uma existência fugaz, de repente,
e percebo a morte que a tudo desmente.

Quem dera engendrar para adiante mil planos,
talvez renascer em mundo diferente,
num palco sem falas, sem cenas, sem panos.


Autoria: Tova Sender